Brasileira Desenvolve Embalagem Comestível
06/12/2006
Prolonga a Validade dos Alimentos
Brasília, 1/12/2006 - Na corrida pelos produtos inteligentes e biodegradáveis, considerados como novas tendências do mercado, o projeto de uma pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) representou um significativo avanço para o país. A engenheira química paulista, Cynthia Ditchfield, 33 anos, acaba de desenvolver uma embalagem comestível, biodegradável e resistente a micróbios. O trabalho da pesquisadora, que é bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior do Ministério da Educação (Capes/MEC), foi contemplado com o Prêmio Panamericano Bimbo em Nutrição, Ciência e Tecnologia de Alimentos 2006, na categoria jovem profissional da América do Sul.

Composto de amido de mandioca e açúcares, o produto está sendo estudado desde o início deste ano e já despertou o interesse de importantes empresas do setor alimentício. A intenção da pesquisadora era desenvolver uma embalagem ativa, ou seja, que pudesse interagir com o produto. Além disso, Ditchfield também se preocupou com a utilidade do produto e propôs um material que pudesse inibir a proliferação de micróbios. "Acrescentamos ingredientes naturais à embalagem comestível, como pimenta, canela e extrato de própolis. Esses ingredientes inibem ou retardam o crescimento de microrganismos", explicou. O caráter antimicrobiano da embalagem promete aumentar a durabilidade dos produtos alimentícios.

A engenheira química destacou também os possíveis ganhos econômicos que a sua embalagem pode trazer para o país. "O Brasil é o segundo produtor mundial de mandioca e de sacarose e ambos são empregados nesta embalagem. Dentre os compostos antimicrobianos testados, o Brasil produz e exporta todos. Então a embalagem poderia agregar valor aos produtos nacionais", apostou. Além dos ganhos econômicos, existe também o ganho ambiental promovido pela embalagem biodegradável e comestível, já que ela traria uma redução na quantidade de lixo gerada.

Outro aspecto interessante trazido pelo produto desenvolvido por Ditchfield seria a substituição de conservantes sintéticos, que são incorporados aos alimentos para aumentar a sua durabilidade, por compostos naturais que, de acordo com a pesquisadora, são mais seguros para o consumidor. O produto ainda está em fase de testes e não há previsão de quanto tempo será necessário para produzi-lo em escala industrial. "Pretendo fazer o pedido de patente em 2007", esclareceu. O prêmio recebido pela pesquisadora é uma iniciativa do Grupo Bimbo, responsável por empresas alimentícias como Pullman e Plus Vita. (Ana Guimarães Rosa)

* Nota retirada do site da Capes.


29/06/2023
Nota de Falecimento
23/06/2023
Mais Um Mutirão de Implante Coclear no Hcfmusp
13/04/2023
Lançamento do Livro: Manual de Dissecção do Osso Temporal
12/04/2023
Otorrino Usp em 7º Lugar no Ranque Mundial Scimago Institutions Rankings
28/02/2023
Homenagem ao Prof. Edigar Rezende de Almeida
13/02/2023
Campanha de Orientação para Cuidados das Crianças Traqueostomizadas
13/02/2023
Campanha de Orientação para Cuidados das Crianças Traqueostomizadas
13/02/2023
Campanha de Orientação para Cuidados das Crianças Traqueostomizadas
07/02/2023
Resultado final do processo seletivo para o curso de especialização em otorrinolaringologia 2023
Outras notícias